14 dicas espertas para economizar uma boa grana em viagens

Escrito por Bárbara Cristovão

Num mundo ideal, nós viajaríamos sem nos preocupar com dinheiro, gastando o quanto quiséssemos. No entanto, essa realidade está bem distante de todos nós e, para podermos aproveitar as férias sem dores de cabeça, precisamos manter os gastos durante as viagens sobre controle.

Continua após o anúncio

Com essas 14 dicas simples, você fica por dentro de algumas formas de economizar sem estragar a diversão do seu passeio.

1. Pesquise passagens com antecedência e fique atento às promoções

Todos sabemos que comprar passagens aéreas a menos de um mês antes da viagem não é um bom negócio, pois os preços sempre encarecem. O ideal é, antes de comprar, pesquisar sobre os preços para o seu destino com bastante antecedência para ter uma ideia da alta ou baixa de valores.

Um site que ajuda você a saber se o preço de uma passagem está barato ou não é o Kayak e outro em que você pode configurar alertas para preços promocionais para o destino que procura é o Voopter. Ambos têm suas versões em aplicativos na Apple Store e Google Play. Também vale se cadastrar para receber os e-mails promocionais de companhias aéreas e ficar sabendo em primeira mão sobre descontos relâmpagos.

2. Evite pacotes turísticos

Antes de ceder ao impulso de comprar um pacote turístico que parecer ser imperdível, pesquise se esses preços são mesmo baixos: busque os preços de passagens aéreas e hospedagem para esse local em sites ou aplicativos que agregam várias cotações simultaneamente.

Talvez, para aquelas datas exatas anunciadas, a agência tenha mesmo uma boa promoção, mas, para datas próximas, você pode conseguir um valor melhor. Geralmente, você vai perceber que, se comprar tudo sozinho, terá mais economia e maior flexibilidade.

É inegável que as agências de turismo oferecem mais comodidade e segurança quando você vai pela primeira vez a um destino desconhecido. No entanto, para quem está totalmente integrado ao mundo digital, planejar as próprias férias se torna uma parte gostosa dessa aventura. Aproveite para conhecer mais do seu destino nessa pesquisa e veja como é melhor ter mais flexibilidade de escolhas.

3. Faça um aluguel temporário ou fique num hostel

Pesquise sobre as vantagens de se hospedar num hostel ou fazer um aluguel temporário, como pelo Airbnb ou por agências especializadas nisso (em Orlando há várias de confiança que fazem esse serviço). Essas são opções com preços muitas vezes mais atraentes do que de hotéis e que te colocam mais em contato com a cultura local e com outras pessoas interessantes.

No entanto, lembre-se de pesquisar também sobre as desvantagens desses tipos alternativos de hospedagem, já que você pode não adaptar muito bem a alguns desses sistemas e se sentir melhor ficando em um hotel.

4. Leve uma garrafa d’água vazia ao embarcar

Em voos internacionais e voos nacionais em que o embarque é feito na mesma área do embarque internacional, é permitido que você leve líquidos em frascos que suportam, no máximo, 100 ml. Ou seja, aquela garrafinha d’água de 500 ml cheia, que você acabou de comprar no saguão do aeroporto ou levou de casa, deverá ter seu conteúdo descartado (mesmo que seja só água).

Continua após o anúncio

Para evitar esse transtorno e economizar dinheiro não comprando uma garrafa d’água depois de passar pelo raio-x — água que certamente será uma das mais caras que você pagará em sua vida— você pode levar uma garrafa vazia e procurar enchê-la em algum bebedouro depois de passar pela inspeção.

5. Tente ir do aeroporto ao hotel de transporte público

Se não estiver abarrotado de malas e dependendo da organização do transporte público no seu destino, tente saber como fazer para chegar de metrô, trem ou ônibus até o hotel. Procure fazer essa pesquisa antes da viagem e deixe anotado os nomes e números dos transportes que deve pegar, onde pegá-los e onde saltar. Deixe essas anotações no celular e no papel, para o caso de falta de bateria. Dependendo da distância do aeroporto ao hotel, você pode economizar uma boa grana sem pegar táxi.

Mas é claro que essa dica só vale se a sua hora de chegada no destino é durante o dia: não vá ficar andando de noite ou de madrugada em um local desconhecido com aquela cara de turista perdido e ainda cheio de malas!

6. Ande de transporte local: evite táxis e agências de turismo

Certamente é muito mais confortável pagar algumas centenas de reais a uma agência de turismo ou a um taxista (e muitos se oferecem para fazer passeios privados com preços fechados), do que pegar transporte público durante suas férias. No entanto, se a sua meta é economia, você vai precisar abrir mão desse conforto.

Muitas cidades turísticas nacionais e internacionais têm um sistema de transporte público que passa ao lado das principais atrações. Um bom lugar para saber mais sobre isso, além da internet, é em algum posto local de turismo. Procure saber também se a cidade conta com um número de telefone especial de atendimento ao turista para tirar diversas dúvidas.

No entanto, alguns destinos têm um sistema de transporte público muito precário e há locais que podem só ser visitados pagando pelo transporte de uma agência. Portanto, é sempre importante avaliar cada caso.

7. Anote todos os gastos e atualize esses dados diariamente

Faça uma anotação de todos os seus gastos ao fim de cada dia, para saber como se comportar, financeiramente falando, nos próximos dias. Tenha uma estimativa de quanto é aceitável para você gastar por dia e tente permanecer dentro disso. É claro que, para não criar expectativas irreais, você precisa pesquisar sobre o preço médio de refeições, transportes e entradas em atrações turísticas antes da viagem.

8. Compre um passe turístico, se valer a pena

Muitas cidades contam com passes turísticos, que dão direito a diversas entradas em atrações e ao uso da rede de transporte público com desconto. Mas cuidado para não cair nas pegadinhas: muitos passes dão direito a muito mais lugares e passagens do que você realmente dará conta de usar no tempo que vai permanecer ali.

Para evitar pagar mais do que o necessário, faça as contas de quanto sairia pagar por cada entrada e passagem de transporte público em seu roteiro. Então compare essa soma com o valor do passe e veja se realmente vale a pena comprá-lo.

9. Faça tours gratuitos de caminhadas

Diversas organizações ao redor do mundo fazem tours de caminhadas de graça em cidades brasileiras e internacionais. O pessoal do Free Tours by Foot, por exemplo, tem diversos roteiros de caminhada por pontos importantes de cidades americanas, como Washington DC, San Francisco e Nova York, e cidades europeias, como Berlim, Londres e Paris. Diversos outros países também contam com serviços semelhantes em que se pede, no final, somente uma gorjeta ao guia turístico.

Essa é uma forma diferente de conhecer o clima das ruas da cidade, gastando pouco dinheiro e algumas calorias.

10. Coma gastando menos

Deixe para comer em restaurantes bacanas da cidade apenas em uma ou outra ocasião, só para dizer que foi a um local desses. Faça a grande maioria de suas refeições em barracas de rua e em restaurantes em ruelas menos badaladas, onde os próprios moradores da região costumam comer.

Mas todo o cuidado é pouco: faça sempre uma pesquisa sobre locais mais baratos confiáveis e apenas consuma comida de rua se confiar nos cuidados com a limpeza por parte dos vendedores.

Outra dica, se você tiver acesso à cozinha de onde está hospedado, é comprar no mercado comida fácil de preparar. Se não tiver como cozinhar ou esquentar comida, compre alimentos prontos para consumo.

11. Use o celular sem dados ativados e compre chip local

Veja bem as regras de sua operadora de celular antes da viagem, principalmente se você tem uma conta pós-paga. Dependendo da situação, você pode pagar taxas absurdas por usar o plano de dados de internet no exterior — e estamos falando de cobranças na casa das centenas reais só porque você usou a internet por dois ou três dias.

Então uma das primeiras coisas a fazer antes de decolar é desligar os dados do celular, pois, mesmo que você não use ativamente internet, eles rodam no plano de fundo atualizando seus e-mails e notificações de redes sociais.

Para não ficar sem internet, procure saber sobre chips pré-pagos no seu destino: você pode ter acesso a um bom pacote de dados e a alguns minutos de voz, inclusive para ligações internacionais, a um preço muito melhor.

12. Não compre lembrancinhas nos lugares mais caros

Evite ao máximo comprar lembranças nos locais mais caros da cidade: nos próprios pontos turísticos, em lojas do aeroporto ou em freeshops. Procure tirar parte de um dia para ir atrás de lojas mais baratas, que terão as mesmas lembrancinhas mais em conta.

Procure também dar presentes úteis: em vez de um enfeite para a estante, que só vai ficar pegando poeira na sala, dê calendários, canecas ou camisetas, que pelo menos têm mais chances de serem usados.

13. Compre guloseimas locais como lembranças

Outra dica é dar uma passada no mercado ou em feirinhas locais para comprar guloseimas de fabricação local. Nada como um biscoito importado ou um chocolate artesanal que não existe no Brasil para dar de lembrança de viagem para a família e os amigos.

Mas alertamos: é proibido o transporte de diversos tipos de alimentos de um país para outro. Portanto procure saber dessas regras com antecedência ou não gaste muito dinheiro com isso para não se arrepender demais se tiver que se desfazer desses itens na alfândega.

14. Economize em casa

Por fim, a nossa dica final é: economize em casa para aproveitar mais nas férias. Não adianta você tentar guardar dinheiro para viajar, se não abrir mão de alguns confortos do dia a dia, como comer fora todas as refeições ou pedir delivery todos os finais de semana. Fazer comida em casa termina sendo muito mais barato. E talvez deixar de ir a um evento caro na sua cidade pode significar ter o dinheiro para a entrada em uma boa atração turística nas férias.

E o principal: evite se endividar, juntando dinheiro para pagar à vista por toda a viagem e os gastos no seu local de destino. Assim, você vai se divertir no passeio e não terá dores de cabeça com contas intermináveis nos meses seguintes à viagem.

 
   

PARA VOCÊ