Bélgica: dicas do que fazer nas principais cidades belgas

Escrito por Flávia Resende

Visitar a Bélgica é conhecer uma cultura completamente diferente, uma arquitetura que deixa qualquer pessoa impressionada e explorar cidades pitorescas. Cada cidade da Bélgica tem uma característica especial, então quais visitar?

Se você está pensando em viajar para a Bélgica e não sabe quais cidades deve incluir em seu roteiro, preparamos uma lista com três das principais cidades belgas que merecem ser visitadas. Vamos lá?

O que você precisa saber sobre a Bélgica

IStock

O Reino da Bélgica, mais conhecido apenas como Bélgica, é um pequeno país localizado na costa ocidental da Europa. Bruxelas, maior cidade do país, é sua capital.

A Bélgica tem como vizinhos os Países Baixos ao norte, Alemanha e Luxemburgo a leste e nordeste, respectivamente e França ao sul. Grandes faixas de praias podem ser encontradas em sua costa.

  • Língua: francês, alemão e neerlandês.
  • Principais cidades: Bruxelas, Bruges, Gante e Antuérpia.
  • Cultura: a Bélgica é dividida em duas regiões, com três comunidades com diferenças culturais e linguísticas: Flanders (comunidade holandesa), Wallonia (comunidade francesa) e uma pequena comunidade autônoma de língua alemã.
  • Culinária: a cozinha nativa é limitada, mas algumas especialidades como fritas, mexilhões, endívia refogada e bife cozido em cerveja são pratos muito conhecidos. Além dos famosos waffles servidos com todos os tipos de coberturas. Como o país absorveu a influência culinária de outros países próximos, algumas pessoas dizem que a cozinha belga tem padrões franceses e porções alemãs. Em Bruxelas, por exemplo, há mais de 2.000 restaurantes e oito deles possuem estrela Michelin.
  • População: 11,35 milhões (2017).
  • Bruxelas: a Cidade de Bruxelas é a capital oficial da Bélgica e o maior dos 19 municípios da Região de Bruxelas-Capital.
  • Visto: brasileiros não precisam de visto para viagens de turismo de até 90 dias para a Bélgica e demais países que pertencem ao Espaço Schengen.
  • Clima: temperado o ano inteiro. As chuvas são irregulares, podendo chover até nos meses mais secos. A temperatura média anual no país é de 9ºC. Os verões são amenos, com média de 19ºC. Os invernos são rigorosos, com temperaturas abaixo de 0ºC.

Como chegar até a Bélgica

Quem planeja viajar para a Bélgica pode chegar ao país de avião, trem, ônibus e carro. Os principais aeroportos do país ficam em Bruxelas, Antuérpia, Bruges e Liège.

A maioria das pessoas viaja de trem para as cidades de Bruxelas, Antuérpia, Bruges e Gante, que contam com um bom sistema de transporte diário. Há também dois trens de alta velocidade, Eurostar e Thalys, que ligam Bruxelas a vários destinos internacionais como Londres, Amsterdã e Paris.

Há linhas de ônibus em alguns países que fazem o trajeto até a Bélgica. De Londres a Bruxelas, por exemplo, o ônibus parte da Estação Victoria Coach e tem como destino final a Estação Ferroviária Bruxelas do Sul ou a Estação de Bruxelas Norte. A viagem dura oito horas e quarenta e cinco minutos.

As maneiras mais rápidas e confortáveis de chegar à Bélgica são de trem e avião, dependendo de cada tipo de viagem. Para quem está conhecendo vários países da Europa, por exemplo, a melhor maneira de viajar para a Bélgica é de trem. Quem quer explorar várias cidades belgas pode alugar um carro ou ir de trem.

Como circular pela Bélgica

Bruxelas e Antuérpia são as únicas cidades belgas que contam com sistema de metrô. A tarifa é fixa e a compra de tickets de várias viagens é mais econômica. Os tickets podem ser comprados em todas as estações de metrô e bancas de jornais.

Como a cidade tem uma extensa rede ferroviária que cobre todo o país, os ônibus são usados apenas em viagens de curta distância como, por exemplo, entre estações de trem. Os tickets podem ser comprados online antes da viagem, mas os assentos não podem ser reservados (somente para grupos). O bilhete é válido apenas para a data impressa nele.

Além disso, há o Rail Pass belga que consiste em 10 viagens de trem, a um custo mais baixo, para qualquer destino no país e pode ser compartilhado com outros companheiros de viagem.
Outra maneira econômica de viajar entre as cidades belgas é o serviço CarAmigo, no qual o viajante pode alugar o carro de um morador da região.

A Bélgica é um país pequeno e fácil de circular graças a um ótimo serviço de trem que conecta suas cidades. De Bruxelas a Bruges, por exemplo, é um pouco mais de uma hora de trem, e de Bruxelas a Antuérpia, uma hora. Além disso, a Bélgica está bem conectada com o resto da Europa com um ótimo serviço de transporte.

O que fazer na Bélgica

As principais cidades do país têm várias atrações que se destacam e que valem a pena conhecer. A seguir mostraremos os principais pontos turísticos das cidades de Bruxelas, Bruges e Antuérpia.

Bruxelas

Além de ser a capital da Bélgica, é a maior cidade do país e a mais famosa. Na cidade é comum encontrar muitas pessoas de línguas, tradições e culturas diferentes. Comunicar-se não é difícil para os turistas já que a maioria das pessoas fala inglês.

A cidade tem muitas atrações turísticas, bons restaurantes e cervejas famosas. Um dos destaques de Bruxelas é a praça Grand Place, Patrimônio Mundial da UNESCO.

  • Grand-Place de Bruxelas: uma das áreas mais populares da cidade, a praça é reconhecida como Patrimônio Mundial da UNESCO e recebe milhares de turistas todos os anos de todas as partes do mundo. Duas vezes por ano, os turistas têm a oportunidade de ver o colorido Flower Carpet e a praça recebe festivais anuais, shows de luzes e sons (especialmente durante a época de férias de inverno para o festival Winter Wonders).
  • Mini-Europa: criado em 1989, o parque em miniatura fica em Bruparck, próximo ao Atomium. O parque reproduz 350 monumentos da União Europeia em miniaturas (escala 1:25) como, por exemplo, o Big Ben, a Torre Inclinada de Pisa e o Monte Vesúvio em erupção. A maioria dos edifícios que representam aproximadamente 80 cidades da EU foram financiados pelos respectivos países ou regiões.
  • Palácio Real de Bruxelas: localizado próximo ao Royal Park e em frente ao Palácio da Nação, o palácio é usado como palácio oficial onde o rei atua como chefe de estado e recebe chefes de outros estados e governo e realiza eventos. O palácio foi construído em 1900 a pedido do rei Leopoldo II, mas as ruínas sob as quais ele foi construído são restos do Palácio Coudenberg, datado do século XI. Durante o verão, o público pode comprar ingresso para visitar o palácio.
  • Parque do Cinquentenário: é o único parque em Bruxelas que reúne em um só lugar museus, obras de arte, monumentos e jardins. O projeto de construção foi atribuído ao arquiteto belga Gédéon Bordiau, em 1875, que trabalhou no projeto até sua morte, em 1904. O arquiteto francês Charles Girault concluiu o projeto em 1905, a pedido do rei Leopoldo II, para as comemorações do 75º aniversário da independência da Bélgica.
  • Manneken Pis: a estátua, que é uma das principais atrações da cidade, é uma cópia do original de 1619, que fica bem guardado em um museu. A substituição da original pela cópia aconteceu em 1965 depois que ocorreu mais uma tentativa de roubo da estátua. Uma das versões da origem da estátua diz que é uma homenagem a um menino local chamado Julianske que salvou a cidade ao urinar em um estopim aceso, queimado por inimigos que tentavam explodir suas muralhas de defesa.

A complexa arquitetura de Bruxelas é o destaque da cidade multicultural. Bruxelas é conhecida por seus grandes espaços verdes que valem a pena conhecer, como a Floresta Soniana.

Bruges

A cidade de Bruges fica a 100 quilômetros de Bruxelas e é considerada uma das cidades mais românticas da Bélgica. É uma cidade bem pequena que pode ser conhecida em um dia, a pé, ou de barco. Seu centro histórico, fechado para carros, foi reconhecido como Patrimônio Mundial pela UNESCO.

  • Market Square: é a praça central de Bruges, ladeada por vários edifícios históricos importantes como o Campanário de Bruges e o Cloth Halls. O primeiro mercado neste local, que remonta ao século X, foi chamado de Place Napoleon e, mais tarde, Grand Place. Em 1936 ganhou o nome de Grôte Markt (Market Square). O mercado foi totalmente renovado em 1995 e uma das alterações foi a remoção do estacionamento da praça, o que garantiu mais espaço para as festividades.
  • Campanário de Bruges: localizada na Market Square, a torre proporciona uma incrível vista panorâmica para quem tem fôlego para subir seus 366 degraus. Durante o verão, os sons de seus 47 sinos podem ser ouvidos em toda a cidade. Durante a Idade Média, os sinos da torre de 83 metros tinham três funções para os moradores da cidade: relógio, alarme de incêndio e trilha sonora para feriados e mercados aos domingos. O irônico é que grande parte da torre foi destruída por três incêndios.
  • Igreja de Nossa Senhora: a igreja foi construída durante os séculos XIII e XV e possui uma torre de tijolos de 115,5 metros de altura que ilustra o artesanato dos construtores de Bruges. No valioso acervo da igreja estão inúmeras pinturas, entre elas a famosa “Madona e Criança”, de Michelangelo; os túmulos de Carlos, O Ousado, e de Maria da Borgonha; e sepulturas pintadas do século XIII.
  • Basílica do Sangue Sagrado: é formada por uma capela inferior românica, com pouca decoração, e uma capela superior gótica, com muitos detalhes e cores. As duas capelas estão conectadas por uma escada de tijolos localizada atrás da grande fachada voltada para a praça. A fachada e as escadas têm estilo renascentista e foram construídas em 1533. Foram demolidas durante a ocupação francesa e reconstruídas no século XIX. Diz a lenda que, após a crucificação de Jesus Cristo, José de Arimateia limpou o sangue do corpo de Cristo e guardou o tecido, que ficou na Terra Santa até a Segunda Cruzada, quando o rei de Jerusalém Balduíno III a deu a seu cunhado, o conde de Flandres Diederik van de Elzas. Em 7 de abril de 1150, o conde chegou com o tecido em Bruges e o colocou em uma capela que ele havia construído na Praça Burg.
  • Cervejaria De Halve Maan: fundada em 1856 pela família Maes, a cervejaria ainda é administrada pela família. O local tem visitas guiadas multilíngues (com 45 ou 90 minutos de duração) que incluem degustação de cervejas. Lá são produzidas várias cervejas, entre elas a Brugse Zot e a Straffe Hendrik.

Bruges é uma das cidades que mais atrai turistas na Bélgica. Os turistas que visitam a cidade nos meses mais quentes vão encontrar as ruas bem cheias, enquanto que nos meses mais frios a cidade fica bem calma, sendo a melhor época para conhecer a cidade.

Antuérpia

A cidade é o destino ideal para quem curte moda, já que é a capital belga da moda. É lá que está uma das estações de trem mais bonitas do mundo.

  • Rubens House: Peter Raul Rubens foi o mais famoso pintor que trabalhou na Antuérpia. A casa e o ateliê onde ele trabalhou e viveu entre 1616 e 1640, ano em que morreu, é um dos museus mais visitados da cidade. Apesar de quase todas as obras criadas por Rubens e seus alunos na casa estarem em vários museus pelo mundo, a Rubens House conta com pinturas de Rubens, outras obras de arte e móveis do século XVII. Entre as obras há algumas pinturas de alunos como Anthony Van Dyck e Jacob Jordaens.
  • Zoológico de Antuérpia: fundado em 1843, o zoológico localizado ao lado da Estação Central é um dos mais antigos e famosos da Europa. Nele vivem 5.000 animais de 950 espécies diferentes como pinguins, elefantes, hipopótamos, gorilas, chimpanzés, búfalo, pássaros, girafas, zebras, pandas-vermelhos, ocapis e coalas. Além disso, o zoológico tem um programa para ajudar a salvar animais em extinção.
  • Catedral de Nossa Senhora: é a maior igreja gótica dos Países Baixos. Sua construção durou quase 170 anos e foi concluída em 1521. Sua torre do norte é de pedra rendilhada que parece transportar os visitantes para outra dimensão. O que se vê atualmente é que a catedral é parte barroca e parte neogótica do século XIX. Em seu interior há quatro obras de Peter Paul Rubens, incluindo O Levantamento da Cruz e A Descida da Cruz, patrimônio cultural.
  • Groenplaats: praça localizada no centro de Antuérpia. Em um local movimentado da cidade, a praça é um local de descanso para turistas e moradores que podem relaxar nos bancos com árvores em seu entorno. No meio da praça fica a estátua de um famoso pintor mencionado várias vezes quando falamos de Antuérpia: Peter Paul Rubens. O nome Groenplaats significa Local Verde.
  • Estação Central: construída de 1895 a 1905, a estação é considerada umas das estações de trem mais bonitas do mundo. Antes de se tornar a estação que é tão visitada e elogiada, a estação era um terminal. Porém, entre 1998 e 2007 um projeto de reconstrução criou quatro níveis separados de trens na estação. Em 2011, o projeto de reconstrução ganhou o Prêmio Europa Nostra pela preservação do patrimônio cultural.

Quem vai estender a viagem pela Bélgica pode aproveitar para conhecer mais cidades como Dinant, Gante, Liège, Lovaina, Mechelen, Mons e Namur.

10 fotos da Bélgica que vão te impressionar

Que tal conhecer imagens de outras cidades belgas para colocar em seu roteiro?

1. Jogar conversa fora em um barzinho enquanto admira um cenário incrível é um ótimo programa

2. Bom passeio para quem gosta de estar em contato com a natureza

3. Mesmo em dias chuvosos dá para admirar as belezas da cidade

4. Passear pelos canais é um programa bem romântico

5. As construções históricas ganham um toque mágico à noite

6. Destino para férias inesquecíveis com belas vistas

7. A arquitetura da Bélgica dá um show à parte

8. Um cenário desses faz qualquer pessoa perder a noção do tempo

9. O rico cenário cultural é um dos pontos altos do país

10. Flores e muito verde são presença constante nas cidades belgas

Viu como a Bélgica tem várias cidades e paisagens encantadoras? Com certeza a viagem vai render muitas fotos de recordação!

Há muito mais para se conhecer na Bélgica do que Bruxelas, chocolate e cerveja, não desmerecendo esses que são os pontos altos do país. Das cidades medievais de Flandres às colinas da Valônia, há tantas coisas para fazer na Bélgica, um país pequeno que pode proporcionar uma viagem incrível!

PARA VOCÊ