12 trilhas no Rio de Janeiro para você conhecer a cidade por outras perspectivas

Escrito por Bruno Mendes

Estabelecer contato com a natureza verde e preservada, que floresce entre  grandes construções é o grande barato em fazer trilhas no Rio de Janeiro. Construções de diferentes épocas e estilos arquitetônicos típicos de uma metrópole convivem harmoniosamente (ok, muitas vezes, nem sempre) com florestas urbanas, cachoeiras e grandes montanhas no Rio, o que proporciona à cidade uma característica geográfica singular e propícia à prática de trekking, essa atividade amada por cariocas e turísticas e que vale a pena ser descoberta por mais pessoas.

Além de fazer exercício físico em sintonia direta com uma paisagem linda, ao caminhar entre a natureza, você poderá conferir a cidade por uma perspectiva nova e ao chegar ao ponto alto, ser presenteado por uma vista incrível e surpreendente. Ainda é novato nesse tipo de aventura? Confira 12 trilhas impecáveis no Rio de Janeiro e prepare um bom tênis, roupas leves e a mochila com água e repelente, pois o passeio será nota 10!

1. Pedra Bonita

A trilha da Pedra bonita fica localizada no Parque Nacional da Floresta da Tijuca e, para chegar ao seu início, é preciso ir até São Conrado e subir a Estrada das Canoas. O percurso, embora tenha trechos íngremes, não traz grandes dificuldades e é indicado por quem está iniciando na atividade.

O tempo estimado de conclusão da trilha fica entre 25 e 35 minutos e do alto da Pedra – que tem área para voo livre de asa delta – dá para apreciar boa parte da Zona Sul, Zona Oeste do Rio e a imensidão verde da Floresta da Tijuca.

2. Costão de Itaquatiara

Turistando no Rio #costaoitacoatiara #trilhasrio

A post shared by Thiago Pereira Nunes (@thiagopereiranunes) on

Mesmo que não fique exatamente no Rio de Janeiro, a trilha do Costão de Itaquatiara está situada na vizinha Niterói e dá para fazer um bate e volta tranquilamente, pois é bem pertinho. Para chegar é simples: basta ir até a praia de Itaquatiara, localizada na região oceânica de Niterói, e procurar o costão, que fica no lado esquerdo da faixa de areia.

A trilha é de dificuldade moderada e dá para percorrer o trajeto de 1 quilômetro e subir a pedra de 217 metros de altura em aproximadamente meia hora.

É uma boa ideia subir o costão no final da tarde para conferir o pôr do sol!

3. Pico da Tijuca Mirim

O Pico da Tijuca Mirim tem 917 metros de altura e a trilha até o ponto mais alto é de intensidade leve e pode ser feita entre 45 e 50 minutos. É possível ver a Tijuca (bairro grande e populoso da zona Norte do Rio), o Centro, a ponte Rio-Niterói e se o céu não tiver nublado, o Cristo Redentor e um trecho do Pão de Açucar.

Para chegar até o início da trilha é preciso seguir pelo Alto da Boa Vista até a Praça Afonso Vizeu. De lá é recomendado seguir as instruções em placas e buscar informações aos transeuntes e trilheiros que sempre estão por perto.

4. Circuito das Grutas

Em paz… ??? #grutadobelmiro #florestadatijuca #riodejaneiro #rj #cariocando #nature #goodvibes #goodfeelings #peace

A post shared by Ana Lúcia Moura (@analuciamb) on

A trilha pelo circuito das grutas é mais longa, são quase 5 quilômetros e a caminhada pode ser feita em cerca de 3 horas, mas mesmo assim é considerada leve e poder ser feita por iniciantes, desde que se tenha cuidados e esteja com bom condicionamento físico.

Como o próprio nome indica, o caminho é preenchido por grutas de formações rochosas distintas e até uma pequena cachoeira, o que ainda dá mais ânimo ao passeio, afinal o visual é lindo e sempre que a natureza apresenta uma novidade é impossível ficar indiferente, não acha?

O acesso a esse ponto paradisíaco dentro do Rio de Janeiro também é feito pela praça Afonso Vizeu no Alto da Boa Vista.

5. Pedra do Telégrafo

?Pedra do Telégrafo – RJ Eu sempre via fotos das pessoas se arriscando na beira de um precipício e aquilo só aguçava minha curiosidade, primeiro pra viver a experiência e segundo pra fazer o registro. Pois bem, eu fui, e depois de muita espera ( quase 3h30min) e muitaaaa paciência, tirei a bendita foto. A Pedra do Telégrafo, que na verdade é a Pedra do Cavalo, dá a impressão de ser um despenhadeiro, em partes é, porém logo abaixo existe um platô que te permite ficar em pé e fazer varias fotos criativas e com uma vista do Rio de Janeiro de tirar o fôlego. Ah, fui sem guia! A trilha é bem movimentada! Mas no próximo post dou algumas dicas pra você ter a melhor experiência possível e aproveitar o momento! Continua… #porondepiso #pedradotelegrafo #rioenquadrado #brasilclique

A post shared by Miro. (@mirojrm) on

Bastante concorrida, a trilha da Pedra do Telégrafo atrai muita gente que deseja fazer a famosa fotografia pendurado na pedra, que confere a impressão  de estar a beira de um precipício. Para chegar ao início da caminhada, você deverá ir até Barra de Guaratiba, na zona oeste, e procurar a escadaria da Igreja Nossa Senhora das Dores, o principal ponto onde a aventura tem início.

Ainda que a distância seja relativamente curta – são 354 metros – há pontos íngremes que merecem atenção e entre 35 e 45 minutos, você encontrará a Pedra do Telégrafo.

Dica IMPORTANTÍSSIMA: em razão do sucesso das fotos de cima da pedra, o destino fica lotado nos fins de semana e há relatos de pessoas que aguardaram mais de 2 horas para conseguir tirar a fotografia. Se você não vê problema em esperar, tudo bem, mas caso não tenha paciência e prefira a tranquilidade, é recomendado fazer a trilha nos dias da semana.

6. Trilha do Parque Laje até o Corcovado (Cristo Redentor)


Normalmente os turistas que vão ao Cristo Redentor optam pelo caminho via bondinho ou por van, mas fazer o percurso até o mais famoso monumento turístico da cidade por uma trilha pela Serra da Carioca é uma experiência muito bacana, apesar de exigir os cuidados de sempre e preparo físico.

Com muitas placas que facilitam a localização, o trajeto tem pontos íngremes, longas subidas e riachos que dão um toque a mais na beleza do local. A caminhada é feita em cerca de 3 horas e do Parque Laje (localiza-se na rua Jardim Botânico no bairro JB) até o alto do Corcovado a distância é de um pouco mais de 2 quilômetros.

A trilha cruza o caminho do bondinho e termina perto da estrada do Corcovado, local onde passam as vans, tenha muito cuidado porque elas trafegam em velocidade alta. Caminhe pela lateral da pista, sempre com muita atenção, tudo bem?

7. Praia do Perigoso

Não se pode mais chamar a Praia do Perigoso, localizada na Barra de Guaratiba, de deserta, porém o caminho até sua faixa de areia não é feito por estradas normais, mas por uma trilha que passa entre vegetação de Mata Atlântica ou por barco.

O trajeto, que pode ser feito entre 30 e 40 minutos, é iniciado na Praia de Guaratiba e pode seguir pela Pedra do Telégrafo ou pelo Caminho da Bica. A praia é linda, vale a pena suar no rigoroso calor carioca e depois dar um mergulho na ainda não tão conhecida Praia do Perigoso.

Atenção! Ok, a praia não é das mais badaladas e nem se compara à Copacabana, Leblon ou mesmo Barra da Tijuca e Recreio, mas já vem ganhando fama e costuma encher nos fins de semana. Lembre-se da dica sobre a Pedra do Telégrafo: se quer mais tranquilidade é melhor ir aos dias de semana.

8. Cachoeira do Horto

A cachoeira do Horto fica no Jardim Botânico, em área pertencente ao Parque Nacional da Tijuca. Para seguir até a queda d’água é preciso ir à rua Pacheco Leão e após verificar a placa HORTO, virar a esquerda e seguir. Chega-se até esse ponto de carro e a trilha de fato tem início a 500 metros da guarita do Parque da Tijuca.

A caminhada é de apenas 20 minutos, mas há uma uma subida íngreme e com pedras escorregadias de cerca de 150 metros. Ande com cuidado e coloque um bom tênis para não correr o risco de cair e se machucar.

Dependendo do seu preparo físico e disposição pode até ser um pouco cansativo, mas você ganhará de presente um banho refrescante. Muito justo!

9. Trilha do Morro da Urca

Não é só de bondinho que se chega lá. A trilha pelo Morro da Urca é uma alternativa interessante e muito agradável para alcançar esse ponto que confere os melhores registros fotográficos do Rio de Janeiro. O acesso à trilha é fácil de achar: fica no lado esquerdo da praia vermelha, na pista Claudio Coutinho, bem perto da região de onde ficam os bondinhos para o Pão de Açúcar.

A subida dura em torno de meia hora e é muito tranquila. Há trilheiros que, inclusive, levam crianças para a aventura! O morro da urca tem lanchonetes e até áreas de eventos onde pela noite algumas festas são realizadas!

10. Trilha do Pico da Pedra Branca

Essa trilha é longa e tranquila de ser feita, mas, como sempre, requer cuidados e preparação prévia .O pico fica no Parque Estadual da Pedra Branca, a maior floresta dentro de área urbana do mundo, com mais de 12000 hectares entres os bairros Vargem Grande, Campo Grande, Recreio, Jacarepaguá entre outros da Zona Oeste.

Com 1024 metros de altura, o Pico da Pedra Branca é o mais alto da cidade e os 11 quilômetros de subida são percorridos em torno de 3 horas. Há belíssimos exemplares da fauna e flora para serem observados (e fotografados) durante a caminhada.

Para chegar lá é preciso ir até a Estrada do Pau da Fome nº 4003 em Jacarepaguá.

11. Pedra da Gávea

Uma das mais apreciadas por trilheiros cariocas, a trilha da Pedra da Gávea é considerada difícil, portanto, a recomendação é que seja feita na companhia de guias ou amigos mais experientes que já fizeram o percurso outras vezes.

O ponto mais desafiador do trajeto é a carrasqueira, um paredão praticamente reto com muitas pedras, onde é preciso ter MUITO cuidado na subida, afinal é imprescindível saber onde encaixar os pés e as mãos para prosseguir a escalada. Embora alguns aventureiros ignorem, é recomendado levar alguns equipamentos de segurança para serem usados nesse trecho.

A aventura tem início no final da Estrada do Sorimã, na Barrinha( sub bairro da Barra da Tijcua) e em um pouco mais de 3 horas é possível chegar ao topo dessa pedra de 842 metros de altura e ver a Barra da Tijuca, São Conrado e outros trechos da zona sul carioca.

12. Trilha do Mirante do Caeté

É válido encerrar essa lista com mais uma atração na irresistível e menos badalada região de praias da zona oeste carioca. E o mirante do Caeté fica no entorno da Prainha, Grumari, Recreio dos Bandeirantes e Praia da Macumba.

Do estacionamento da Prainha até o Mirante são por volta de 2,5 quilômetros em caminhada de pouco mais de uma hora. É bem tranquilo!

12 trilhas, uma por mês, topa?

PARA VOCÊ